Câmara Municipal de Lisboa:
Pesquisar neste site: 
Teatro Romano > Glossário
Glossário
Para vizualizar a explicação faça clique sobre o termo que pretende consultar.
Lojas, geralmente “casas de pasto” onde eram servidas algumas comidas e, sobretudo o vinho. Localizavam-se geralmente junto a ruas ou locais públicos.
O tabularium foi um edifício construído em Roma por ordem do ditador Lucius Cornelius Sulla em 78 a.C. e mais tarde restaurado pelo Imperador Cláudio. Feito em rocha local (peperino e travertino) a sua fachada era decorada pelas ordens arquitectónicas dórica e coríntia. O edifício, do qual actualmente apenas se conserva o piso inferior, situava-se na parte Oeste do forum romano e funcionava como arquivo oficial de Roma, local onde se guardavam os éditos, leis e tratados redigidos pela magistratura romana.
Faixa larga, assimétrica, que era colocada na cabeça. Esta peça é herdada da cultura grega, onde tinha o nome de strophium. Alguns deuses usavam-na ou ainda os tocadores de aulos.
contentor em cerâmica, de grandes dimensões, para armazenamento de produtos alimentícios, geralmente cereais, mas também de outro tipo.
Na mitologia grega Télamón foi rei da ilha de Salamina e pai de Ajáx..
Encontra-se representado inúmeras vezes na arquitectura grega e romana como uma figura masculina que segura algo nos seus braços e cabeça. Esta temática será retomada recorrentemente em épocas posteriores.
Originário de Cartago, de onde lhe advém o cognome de “Africano”, n. cerca de 190 a.C. e m. a 159 a.C.. À semelhança de Andronico, era um escravo liberto que recebeu, sob a protecção de um senador, elevada formação literária. Frequentou o círculo dos Cipiões - defensor do helenismo como componente indispensável da cultura latina e de uma arte de viver digna de grandes e cultos senhores - e o seu teatro reflecte, em grande parte, muitos dos problemas aí abordados. O tom geral das suas peças é sério, conotando-se com um tipo de comédia psicológica. Conhecem-se seis comédias de Terêncio: Heautontimoroumenos; Adelphoe; Hecyra; Phormio; Andria; Eunuco
Pequeno altar onde se sacrificava a Dionisos ou Baco, colocado no centro da orchestra nos teatros da antiguidade clássica e ao redor do qual se reuniam os coros.
Historiador originário de Pádua, n. cerca de 59 a.C. e m. em 17 d.C.. A sua obra História de Roma, constituída por cento e quarenta e dois livros, relatava as suas origens até ao ano 9 a.C.. É evidente a influência que o historiador grego Políbio exerceu sobre ele. Animada de um patriotismo ardente e de profundo sentimento da grandeza de Roma, a sua obra foi, desde sempre, considerada como a “história romana” por excelência e, a partir dela, muitos resumos foram redigidos a fim de servirem como manuais – os epitomae.
Peça teatral representativa de determinada acção importante, na qual figuram personagens ilustres e cujo objectivo é o de suscitar o terror ou a piedade, finalizando sempre de uma forma trágica ou infeliz. Este género literário teve a sua origem entre os gregos, depois da epopeia e do lirismo, surgindo do culto a Dionisos (Baco).
Instrumento utilizado para perfurar a pedra. São típicas as marcas do seu emprego pois resultam em orifícios circulares mais ou menos profundos. Estas marcas poderiam posteriormente ser disfarçadas, pela sua união (através da utilização de outros instrumentos). Possibilita grandes contrastes de volumes e efeitos de claro escuro.
Galerias laterais que davam acesso à orchestra, e sobre as quais se estabeleciam as tribunas.
   
© 2008 Câmara Municipal de Lisboa
União Europeia - FEDER
POS_Conhecimento
Câmara Municipal de Lisboa